quinta-feira, 18 de junho de 2009

Projeto "Viagem Literária"



 BATE-PAPO – No encontro, o autor falou sobre sua carreira, atividades literárias e publicações que lhe renderam importantes premiações






A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim recebeu nesta sexta-feira (19) o escritor Menalton Braff, em mais uma edição do Programa ‘Viagem Literária’, no módulo ‘Bate-papo’. Durante a tarde, o autor de ‘Janela Aberta’ e ‘No Fundo do Quintal’ falou com o público sobre o início da sua carreira, atividades literárias e publicações que lhe renderam importantes premiações.

O interesse pelos livros surgiu ainda muito cedo, quando o escritor era apenas um menino de 6 anos. Rabiscando cadernos, deu início aos primeiros textos. No encontro, ele também citou grandes nomes da literatura brasileira que marcaram sua trajetória na literatura, como José de Alencar, Érico Veríssimo, Machado de Assis, entre outros.
“José de Alencar é um dos melhores romancistas. Quem lê as obras encontra a beleza nas linguagens”. Antes de escrever os livros, Menalton teve contos publicados em jornais e revistas. “Após a premiação no Prêmio Jabuti de Literatura, minhas obras começaram a ficar conhecidas”.
No Programa Viagem Literária desde 2008, Braff teve a oportunidade de conhecer diferentes bibliotecas, mas em Itanhaém o escritor só faz elogios ao espaço. “Eu nunca tinha vindo ao litoral para falar de leitura. Volto para casa encantado com a Cidade e sua calorosa recepção. É muito difícil fazer crianças ficarem em silêncio como elas ficaram em Itanhaém. Os alunos me fizeram perguntas e eu respondi. Acho que eles foram muito bem trabalhados na escola”.
Menalton aproveitou a ocasião para falar sobre o programa que trabalha em parceria com diferentes escritores brasileiros. “As bibliotecas estão recebendo escritores que estão interagindo com o público. Então, em curto prazo a gente planta para os outros colherem mais tarde”, salienta.
O autor tem 19 livros publicados, mais um em processo de edição e impressão na editoria e um prêmio Jabuti na bagagem, conquistado em 2000, com a coletânea de contos ‘À sombra do cipreste’. Ele também já foi um dos finalistas da Jornada de Passo Fundo em 2003 e Jabuti em 2007, com o volume de contos ‘A coleira no pescoço’. Mais tarde, em 2008, com o romance ‘A muralha de Adriano’, responsável pela Menção Honrosa no 50º Prêmio Casa de Las Américas (Havana), entre outras. Mais informações do autor pelo site: http://www.menalton.com.br.
 
Bate-papo com o escritor Menalton Braff está no Programa ‘Viagem Literária’ de outubro

 Mais uma edição do Programa ‘Viagem Literária’ está sendo preparada para o mês de outubro. A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim receberá o módulo ‘Bate-papo’ com o escritor Menalton Braff, que conversará com leitores sobre suas obras literárias voltadas ao público infantojuvenil. O encontro está marcado para o dia 19 de outubro, às 15 horas, na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro. O escritor contará um pouco sobre sua trajetória, dedicação às atividades literárias e publicações que lhe renderam importantes premiações. O autor tem 19 livros publicados, mais um em processo de edição e impressão na editoria e um prêmio Jabuti na bagagem, conquistado em 2000, com a coletânea de contos ‘À sombra do cipreste’. Ele também já foi um dos finalistas da Jornada de Passo Fundo em 2003 e Jabuti em 2007, com o volume de contos ‘A coleira no pescoço’. Mais tarde, em 2008, com o romance ‘Amuralha de Adriano’, responsável pelaMenção Honrosa no 50º Prêmio Casa de Las Américas (Havana), entre outras. Mais informações do autor pelo site: http://www.menalton.com.br. Este ano, o cronograma se estende até outubro, dividido em módulos como: Contação de Histórias e Bate-papo com o Escritor. Mais informações por meio do telefone (13) 3426-1477. VIAGEM – O Programa da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 2008, promove uma verdadeira turnê com escritores renomados e jovens talentos pelo Estado, levando mais de 350 atividades a bibliotecas de todo o Estado.

Viagem Literária volta a Itanhaém em setembro com o módulo ‘Contação de Histórias’

O Programa Viagem Literária estará de volta no dia 14 de setembro em Itanhaém com o módulo ‘Contação de Histórias’. Nesta edição, o evento levará para dentro da Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim o escritor Paulo Netho. O público poderá ouvir a contação em dois períodos: manhã, às 10 horas; e tarde, às 14 horas, na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro. Não há limite de vagas para participar.
Neste módulo, o autor de ‘Bolinho de Chuva e outras miudezas’ apresentará o projeto ‘Histórias de Mergulhar’ composto por um repertório que inclui poesias, trava-línguas, trovas populares, adivinhas e pegadinhas. O encontro ainda terá obras inéditas e já publicadas pelo escritor.   
Este ano, o cronograma se estenderá até outubro, dividido em módulos como: Contação de Histórias e Bate-papo com o Escritor. Mais informações por meio do telefone 3426-1477.
VIAGEM – O Programa da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 2008, promove uma verdadeira turnê com escritores renomados e jovens talentos pelo Estado, levando mais de 350 atividades a bibliotecas de todo o Estado.





Viagem Literária volta a Itanhaém em setembro com o módulo ‘Contação de Histórias’

O Programa Viagem Literária estará de volta no dia 14 de setembro em Itanhaém com o módulo ‘Contação de Histórias’. Nesta edição, o evento levará para dentro da Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim o escritor Paulo Netho. O público poderá ouvir a contação em dois períodos: manhã, às 10 horas; e tarde, às 14 horas, na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro. Não há limite de vagas para participar.
Neste módulo, o autor de ‘Bolinho de Chuva e outras miudezas’ apresentará o projeto ‘Histórias de Mergulhar’ composto por um repertório que inclui poesias, trava-línguas, trovas populares, adivinhas e pegadinhas. O encontro ainda terá obras inéditas e já publicadas pelo escritor.   
Este ano, o cronograma se estenderá até outubro, dividido em módulos como: Contação de Histórias e Bate-papo com o Escritor. Mais informações por meio do telefone 3426-1477.
VIAGEM – O Programa da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 2008, promove uma verdadeira turnê com escritores renomados e jovens talentos pelo Estado, levando mais de 350 atividades a bibliotecas de todo o Estado.
Viagem Literária Recebe Beth Ziani



“Leitura não é só ler, interpretar o texto. É algo muito mais amplo”. Foi com esta frase que a escritora Beth Ziani iniciou sua participação no Programa Viagem Literária, que aconteceu no último dia 11, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, no Centro Histórico.

“Podemos estimular os jovens a ter uma perspectiva de vida, buscar um significado para suas vidas através da Literatura. Ela impulsiona a educação, a identidade local”, completa Beth Ziani. Segundo ela, a contação de histórias e a literatura podem produzir transformações efetivas e sociais.

Na primeira parte da apresentação a autora mostrou seu recente livro: Sequência, que fala sobre duas meninas que moraram boa parte de suas vidas em um abrigo e também nas ruas. O livro tem o manuscrito delas. “Foram dois anos de trabalho com o objetivo de escrever sobre a vida das meninas Maria e Alice. Precisamos conscientizar a população e o poder público quanto a este tema”, explica.

De acordo com Beth, a tentativa é fazer as pessoas olharem diferente para esta realidade de meninos de rua. “Lá não tem só menores maus, que roubam ou usam drogas. Lá tem sim crianças que precisam de carinho, de família”. A plateia participou bastante com perguntas à autora sobre as condições dos abrigos e sobre o que é mostrado no livro.

Beth tem uma maneira diferenciada de contar histórias e interpretar textos deste escritor. Através de fotos do sertão e painéis bordados, ela narra a vida deste famoso autor brasileiro. “Minha parte é mais ligada à literatura. Interpreto e gosto muito de Guimarães Rosa. Ele foi um escritor que trouxe a realidade do sertão e colocou os personagens nela”.

Os participantes viram fotos do contexto de Guimarães Rosa, a vida do sertão e do sertanejo, e escolheram algumas para falar sobre suas impressões. “A referência de memória e cultura vai se modificando, mas algumas imagens levam a algumas histórias, a voltarmos no tempo e isso é muito interessante”, diz Beth.

Quanto ao bordado, a escritora diz que este é um projeto feito pelo Grupo Teia de Aranha, no qual também faz parte. O trabalho é levado para as bibliotecas e escolas. “O bordado puxa um fio que é um fio de memória que você concretiza imagens. Quando perguntam minha profissão, eu digo primeiro que sou bordadeira, e depois digo a minha formação estudantil”, declarou em meio a risos.

O PROGRAMA – Esta é a segunda vez que Beth Ziani participa do Viagem Literária. “Estou muito feliz por estar novamente fazendo parte deste programa. Já estive no interior e gostei muito. Esta é uma maneira de divulgar os escritores. Para o público, é uma comunicação direta com o autor”, completa.


Fonte: Prefeitura Municipal de Itanhaém/Departamento de Comunicação Social


Viagem Literária recebe no mês de Novembro a escritora Beth Ziani




A última edição deste ano do Programa Viagem Literária trará nada mais, nada menos do que a escritora Beth Ziani. Pequisadora por natureza, Beth faz parte do grupo seleto de autores conhecidos por bordar a literatura, tendo como mote as obras de Guimarães Rosa. O encontro está marcado para dia 11 de novembro, às 18 horas, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, localizada na Rua Cunha Moreira, 71, Centro.

Tangível com as palavras, Beth comandará um bate-papo descontraído sobre produção, técnicas e teorias relacionadas à arte de escrever. A escritora também mostrará a literatura a partir de outras linguagens: narração da obra (áudio); do uso de imagens (bordado, vídeo e fotografia) e da música (letras e melodias), revelando o texto com diferentes formas de expressão.

Durante o encontro, a escritora levará a exposição ‘De Danúbio ao São Francisco Literatura para Todos’. A modalidade é uma junção da história narrada com a arte milenar da agulha e linha.
SOBRE A ESCRITORA – Professora, pós-graduada pela USP, Beth Ziani é idealizadora de projetos como Memória Viva e De Danúbio ao São Francisco – Guimarães Rosa para todos. Ministra oficinas e auxilia na organização de importantes semanas culturais no país. Publicou ‘Sequência, nossa vida na rua’, em 2010. Atualmente, desenvolve o Núcleo de pesquisa – Literatura Viva



Viagem Literária recebeu o escritor Ricardo Chacal



No encontro realizado na última terça-feira (11), o programa Viagem Literária trouxe para a edição de outubro, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, um dos grandes nomes da poesia marginal brasileira, Ricardo Chacal. O escritor conhecido pelo modo de vida alternativo de contracultura revelou a crianças, jovens e professores que a poesia está na simplicidade das palavras, e mais do que escrevê-las, é imprescindível recitá-las.


Em um bate-papo descontraído, Chacal falou sobre a arte da escrita e a experiência de produzir suas obras. “O problema é que alguns escritores ficam explicando a poesia. A gente só manda a ideia, a imaginação fica por conta do leitor”, completa.

Ricardo Chacal percebeu sua aptidão para poesia ainda na juventude, quando foi apresentado a obra de Oswald de Andrade. Empolgado com as palavras, descobriu que o ingrediente está na simplicidade, e não demorou a escrever seu primeiro livro em 1971, ‘Muito Prazer, Ricardo’. Com os poucos recursos oferecidos na época, utilizou o mimeógrafo para a impressão e distribuição que rodou o Brasil.

“Oswald de Andrade me abriu as portas para outro mundo, me mostrou que a poesia pode ser mais simples do que se imagina. Nesse momento, vendi e distribui meu livro” comenta Ricardo durante conversa com o público da biblioteca.

A professora substituta Tatiana Mariano Silva Costa, da E.M Bernardino de Souza Pereira, conta que os alunos conheceram um pouco da carreira do escritor antes do encontro na biblioteca. “É muito bom a biblioteca sediar eventos como este, para os alunos terem a oportunidade de conhecer novos autores”.

O bate-papo com o autor despertou na aluna da 8ª série, Nathália de Brito Pereira, da E.M Bernardino, um novo olhar para a poesia. “Conheci um pouco das obras de Chacal. Achei interessante a linguagem que ele usa, porque nos ajuda a entender mais o poema”.

Chacal garante que o encontro na biblioteca foi mais produtivo do que esperado. “Achei o público bastante interessado, não esperava tantas pessoas como vi hoje. As crianças muitas vezes se dispersam, e acabam não se interessando pelo assunto. Aqui foi exatamente diferente, porque do início ao fim o público permaneceu concentrado”.

O autor acredita estar diante de uma geração interessada, e manda uma mensagem aqueles que pensam na poesia como profissão. “Leiam, leiam, escrevam e escrevam. Acreditem no sonho, se quiserem viver como poeta, tem que acreditar. Isso foi o que a vida me ensinou”, finaliza.




Viagem Literária de Outubro com o escritor Ricardo Chacal


De 27 de setembro de 2011



Outubro será o mês em que a Biblioteca Municipal “Poeta Paulo Bomfim” terá a oportunidade de promover ao público um encontro com o poeta carioca Chacal. Ao falar de sua carreira poética de quarenta anos, durante um bate-papo descontraído, o consagrado artista certamente levará os participantes a compreenderem o que se processou na sua vida após a leitura de Oswalde de Andrade e muito mais.

Indicado para um público a partir dos 15 anos, estão convidados estudantes, professores e público em geral para comparecerem ao Viagem Literária a realizar-se no dia 11 de Outubro, às 15h, na Biblioteca Municipal” Poeta Paulo Bomfim”, situada à Rua Cunha Moreira, 71.

SOBRE O AUTOR

Chacal, como é conhecido o poeta e letrista Ricardo de Carvalho Duarte, nasceu no Rio de Janeiro em 1951.

Publicou seu primeiro livro de poesia, Muito Prazer, Ricardo, em 1971. No ano seguinte colaborou na revista Navilouca e publicou seu livro/envelope Preço da Passagem. Passou a integrar, em 1975, a coleção literária Vida de Artista, com Cacaso, Eudoro Augusto, Francisco Alvim, entre outros; ainda em 1975 foi lançado seu livro América. No contexto da chamada poesia marginal, de 1976 a 1977, Chacal organizou grandes happenings poéticos com o grupo Nuvem Cigana, com Bernardo Vilhena e Ronaldo Bastos, entre outros poetas.

Formou-se bacharel em Comunicação pela UFRJ em 1977. Entre 1978 e 1983 foi co-autor das peças teatrais Aquela Coisa Toda, com o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone e Recordações do Futuro, com o grupo Manhas & Manias. Na década de 1980 trabalhou como cronista do Correio Brasiliense e da Folha de S. Paulo, além de roteirista da TV Globo. Nos anos de 1990 foi produtor do Centro de Experimentação Poética – CEP 20.000 da Rioarte, coordenador de oficinas de poesia na UERJ e no Parque Lage e editor da revista O Carioca.

Sua obra poética inclui Nariz Aniz (1979), Boca Roxa (1979), Comício de Tudo (1986) e Letra Elétrika (1994). O poeta Paulo Leminski afirmou sobre a obra de Chacal, que é de tendência contemporânea: "A palavra 'lúdico' é a chave para a poesia de Chacal". Leminski também via nos poemas de Chacal a presença "da Poesia Concreta, das letras de música popular, do mundo industrial e urbano que se abateu, irremediavelmente, sobre nós."

SOBRE O VIAGEM LITERÁRIA

O programa Viagem Literária é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura e as bibliotecas públicas das cidades, com produção da Associação Paulista dos Amigos da Arte (APAA). Toda a programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades.





Carla Caruso se encanta com leitores durante Viagem Literária



A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim recebeu na tarde da última sexta-feira (16), no programa Viagem Literária, a escritora Carla Caruso. Durante o encontro, jovens e adultos conheceram um pouco da trajetória da autora, que aproveitou o momento para dar dicas sobre construção de textos literários e suas várias formas de criação.

O que era um bate-papo se tornou um grande agregador de conhecimento em diferentes percepções. Carla apresentou os gêneros trabalhados em seus livros por meio de leitura de pequenos trechos. Na ocasião, a escritora mostrou os autores que a influenciam em sua produção literária, como as obras de Oswald de Andrade e a poesia de Cecília Meirelles.

Itanhaém é relembrada pela autora por ser uma das cidades que a inspirou na criação do seu primeiro livro, ‘Ítalo’. “Essa região da Baixada Santista foi meu primeiro roteiro como repórter do Guia Quatro Rodas, e foi um marco na minha vida”, comenta a escritora.

O encontro envolveu a participação de cerca de 200 pessoas das Escolas Municipais: Leonor Mendes de Barros II, Maria Conceição Luz, Filomena Dias Apelian; particulares: Albert Einstein, Nova Era; e estaduais: Dagoberto Nogueira da Fonseca e a Universidade Metodista.

Surpreendida com a afinação dos alunos, a autora elogiou a postura dos participantes, que demonstraram sabedoria a cada obra apresentada. “Quando as crianças não leem seu livro, você tem que fazer todo um trabalho, tem que apresentar sua obra, e eu não precisei fazer isso aqui. Eles são muito leitores, e estou muito feliz de ter as pessoas tão envolvidas com as histórias”.

A professora da E.M. Leonor Mendes de Barros II, Luana Bortolotte, aproveitou a oportunidade para trabalhar o livro em sala de aula. “O envolvimento dos alunos com a leitura de Carla Caruso foi fascinante. O ‘Almanaque dos Sentidos’ veio de encontro com a matéria de ciências, dando oportunidade da contextualização dos conteúdos”, ressalta.

A escritora terminou o evento mandando um recado à nova geração de leitores e possíveis escritores brasileiros que utilizam o espaço da biblioteca. “A imagem que ficou da biblioteca foi de uma vibração forte e viva. Percebi que as pessoas são muito ativas, atentas e participativas. A equipe é entrosada”, conclui.

O Viagem Literária atua nas bibliotecas com a proposta de democratizar o acesso à cultura e promover o contato direto entre escritores e as comunidades. O cronograma se estende de junho a novembro e é divido em módulos, como: Bate-papo com o Escritor – Literatura para Todos, Contação de Histórias, Bate-papo com o Escritor – Literatura Infanto-juvenil, Bate-papo com o Escritor – Leituras Escolhidas e Oficina de Criação Literária.

Este ano, o Viagem Literária já trouxe ilustres convidados para participar dos módulos. Passaram pelo espaço escritores como Ignácio Loyola e Roberto Rocha Pombo.

SOBRE A ESCRITORA – Carla Caruso trabalha com alguns gêneros: ficção, poesia e biografia para o público infantil. Dentre as biografias de personalidades brasileiras de sua autoria, foram publicadas: o escultor Aleijadinho, as pintoras Anita Malfatti e Tarsila do Amaral, o escritor Oswald de Andrade, a poeta Cecília Meirelles, o líder Zumbi dos Palmares, o paisagista Burle Marx e o cientista Vital Brazil.

Foi Premiada na 52ª edição do prêmio Jabuti, na categoria “Didático e Paradidático”, com o livro “Almanaque dos Sentidos”. No campo da poesia, as obras “Bicho-de-Livro” e “Poemas para Sonhar” brincam com toda a maleabilidade e sonoridade das palavras, despertando a curiosidade infantil para seus sentidos e ritmos.

Para melhor interação com a escritora, a biblioteca disponibiliza a leitura das seguintes obras: Oswald de Andrade – biografia, Editora Callis; Almanaque dos Sentidos, Editora Moderna; e Poemas para Assombrar, Editora Larousse, Lafonte.

Estas e outras obras da autora estão disponíveis na Biblioteca da cidade para empréstimo domiciliar. O espaço está localizado na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro.

Fonte:Secretaria de Governo / Departamento de Comunicação Social







Programa Viagem Literária em Itanhaém apresenta Roberto Rocha Pombo




Roberto Rocha Pombo traz a magia das histórias na Biblioteca





Bonecos-marionetes como o Palhaço Macarrão e a dançarina do ventre Sara Sarada fizeram a alegria de crianças e adultos, nesta sexta-feira (12), no programa Viagem Literária – Contação de Histórias. Em sua passagem por Itanhaém, o escritor Roberto Rocha Pombo divertiu e encantou o público presente na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim.

Aos poucos os personagens ganham vida nas mãos de Roberto Rocha Pombo. Segundo o escritor, no livro é possível tirar objetos e personagens inusitados e engraçados. Presenteado com duas sessões de Contação de Histórias, nos períodos da manhã e tarde, o público foi apresentado ao gigante intitulado “O Livro Mágico”, criado para fomentar o gosto pela leitura e exercício da imaginação.

A fantasia tomou conta do espaço, e até quem estava só assistindo, soltou a imaginação, e se aventurou em narrar histórias. A aposentada Ana Maria Varela não contou, mas adorou o entrosamento entre as crianças. “Todas as atividades que a biblioteca tem proporcionado sempre participo. A biblioteca de Itanhaém funciona. Sinto que a linguagem oral leva o desenvolvimento da linguagem escrita. Estão de parabéns”, salienta.

O Viagem Literária, que tem como sede as bibliotecas públicas, visa estimular o prazer da leitura e despertar nos novos leitores um olhar mais literário. O programa é considerado um importante condutor de conhecimento, já que permite a aproximação direta do escritor com o leitor. A programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades.

O professor Roberto Cid de Campos que dá aula em Peruíbe não perde a oportunidade de prestigiar mais um evento da biblioteca, já que a sua presença é constante. “Achei impressionante, muito bom. Já estou acostumado a vir aqui, no viagem literária. O encontro enriquece o nosso conhecimento”, finaliza.

O cronograma se estende de junho a novembro e é divido em módulos, como: Bate-papo com o Escritor – Literatura para Todos, Contação de Histórias, Bate-papo com o Escritor – Literatura Infanto-juvenil, Bate-papo com o Escritor – Leituras Escolhidas e Oficina de Criação Literária.

O Programa Viagem Literária da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 2008, promove uma verdadeira turnê de escritores renomados e jovens talentos pelo Estado, levando mais de 350 atividades a bibliotecas de todo o Estado.


Fonte: Prefeitura Municipal de Itanhaém

Viagem Literária - Agosto


O Programa Viagem Literária está de volta no mês de agosto com o módulo Contação de Histórias. E nesta edição, a Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim receberá no dia 12, o escritor Roberto Rocha Pombo, que contará histórias de sua autoria e de outros autores. O público poderá ouvir a contação em dois períodos: manhã, às 10 horas; e tarde, às 15 horas, na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro.
O Viagem Literária, que tem como sede as bibliotecas públicas, visa estimular o prazer da leitura e despertar nos novos leitores um olhar mais literário. O programa é considerado um importante condutor de conhecimento, já que permite a aproximação direta do escritor com o leitor. Toda a programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades.
Nesse encontro, o autor fará da imaginação seu grande trunfo na hora de contar histórias. E durante toda a apresentação, o clima de magia e entretenimento será garantido por sua atuação ao contracenar com bonecos-marionetes manipulados por ele.
Na oportunidade, o público será presenteado com duas sessões de Contação de Histórias de Roberto Rocha Pombo, intitulada “O Livro Mágico”. Criada para fomentar o gosto pela leitura e o exercício da imaginação, utilizando um livro gigante, o autor contará histórias de sua autoria e de outros autores.
Para a bibliotecária Maraléia Menezes, o público irá se divertir durante a apresentação. “As histórias se destacam pelo seu aspecto lúdico, além da diversão, a contação de histórias desperta o gosto pela leitura e estimula a imaginação através da construção de imagens interiores”.
O cronograma se estende de junho a novembro e é divido em módulos, como: Bate-papo com o Escritor – Literatura para Todos, Contação de Histórias, Bate-papo com o Escritor – Literatura Infanto-juvenil, Bate-papo com o Escritor – Leituras Escolhidas e Oficina de Criação Literária.
SOBRE O ARTISTA – Roberto Rocha Pombo tem um extenso currículo construído a partir de suas inúmeras facetas: artista plástico, escritor, roteirista, ator, poeta, cenógrafo, bonequeiro, vitrinista e educador, além de pesquisador na área das terapias alternativas.
Natural de São Paulo, deixou a capital para viver e produzir sua arte na cidade de São Bento do Sapucaí. Desde a infância construía miniaturas, e hoje se tornou especialista na construção de réplicas minúsculas.
Como ator, dedicou-se a diversos espetáculos de teatro, fez contação de histórias no SESC/SP, enquanto na televisão construiu e deu voz à árvore da novela “Meu pé de laranja lima” (TV Bandeirantes), marcante sucesso na época, tendo ainda trabalhado como criador de efeitos especiais (SBT), além de realizar um trabalho de miniaturização para o apresentador Faustão (Rede Globo).
VIAGEM LITERÁRIA – O Programa da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 2008, promove uma verdadeira turnê de escritores renomados e jovens talentos pelo Estado, levando mais de 350 atividades a bibliotecas de todo o Estado.





TRAJETÓRIA – Escritor contou detalhes de sua carreira para reforçar a importância da leitura na formação do jovem e do cidadão

Ignácio de Loyola Brandão e
Itanhaém: um caso de amor antigo


Quem vê aquele senhor de ar sisudo nem desconfia que por trás daquele rosto se encontra um incrível contador de histórias, além de um dos maiores escritores que esse País produziu. Ignácio de Loyola Brandão, autor de clássicos como Não Verás País Nenhum e Zero, surpreende ao mostrar uma personalidade extremamente bem humorada, capaz de fazer plateias sorrirem com suas histórias hilárias retiradas do cotidiano. O escritor esteve em Itanhaém no dia 6, participando de um bate-papo aberto ao público na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, dentro do programa Viagem Literária, uma parceria da Prefeitura de Itanhaém com o Governo Estadual. E atendeu a imprensa para falar sobre Literatura e a produção cultural nacional. Segundo ele, é possível incentivar mais a leitura com a criação de mais bibliotecas. “Esses espaços serão redutos culturais onde a população pode ter acesso à cultura nacional”.
Imprensa – Esta é a sua terceira participação no programa Viagem Literária e a primeira visita em Itanhaém através dele. Que avaliação o senhor faz desse projeto?
Ignácio de Loyola Brandão – É difícil fazer um balanço, porque esses projetos são de longa duração. Estão investindo no futuro. O que acho fundamental é que fazendo isso você acaba conquistando uma parcela do público para a leitura. Por exemplo, se vierem 50 pessoas e cinco delas despertarem o interesse, já valeu a pena ter realizado a palestra. Ler é uma coisa muito especial. E o que nós, escritores, procuramos mostrar é que a literatura é um prazer. E a leitura é um prazer maior ainda.

Imprensa – Como o senhor avalia a atual produção literária no País?
Loyola Brandão – Vejo muitas coisas acontecendo de forma positiva. Há vários eventos se consolidando, como a Feira Literária de Paraty (FLIP), Ribeirão Preto promove uma feira literária, o Salão Literário do Piauí, o Salão de São Luis no Maranhão. Em agosto teremos a Jornada de Literatura Nacional de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, que reúne na plateia seis mil pessoas. É uma coisa fantástica, pois 15 mil crianças participam. É uma festa mesmo. Isso significa que teremos um futuro mais agradável para o livro e, consequentemente para a leitura.

Imprensa – Mas o livro ainda é caro para o público em geral. Como é possível reverter esse quadro?
Loyola Brandão – O livro ainda é caro porque as tiragens ainda não são grandes. Só com uma grande tiragem é que você consegue reduzir o seu preço. O que se espera no futuro é que, com todos esses eventos de pequeno e grande porte, o número de leitores possa aumentar. E com isso a tiragem tende a aumentar.

Imprensa – Em sua obra constam biografias, como a mais recente, da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. Há planos para escrever novas biografias?
Loyola Brandão – Escrever o livro sobre a Ruth Cardoso foi um prazer enorme. Ela teve uma trajetória muito singular, pois se diferenciou das demais primeiras-damas, por ter ido de encontro ao povo e elaborado projetos sociais memoráveis. Mas escrevi também a biografia de Alexander Fleming, o criador da penicilina, e de Olavo Setúbal, que foi prefeito de São Paulo e o principal responsável pela expansão do Banco Itaú. Escrevi também a biografia do Santo Ignácio de Loyola Brandão, que inspirou meus pais a darem meu nome. E percebi que ele era um homem muito disciplinado, uma qualidade que curiosamente também tenho. No momento, não tenho nenhum projeto para uma nova biografia.

Imprensa – Ainda sobre sua obra, temos vários contos e crônicas, sendo que alguns deles direcionados ao público infanto-juvenil. O que é mais difícil escrever: a biografia ou o conto de ficção?
Loyola Brandão – A ficção é mais livre, pois posso inventar o que eu quiser. É fantasia, imaginação. Na biografia, eu tenho que colocar o que eu descobri sobre a personalidade. É um documento, no final das contas. Costumo dizer que a biografia coloca o escritor em uma camisa de força. Mas também dá um imenso prazer, porque a medida que você vai descobrindo a pessoa, ela vai se iluminando. Você aprende muito.

Imprensa – Houve uma renovação na literatura nacional?
Loyola Brandão – A literatura nunca parou. Isso é fato. A minha geração sucedeu a anterior. E hoje temos autores como Luiz Rufatto, Ivânia de Arruda, Adriana Lisboa, Rubens Figueiredo, jovens que estão na faixa dos 30 a 40 anos, que estão produzindo coisas muito boas. É uma literatura muito efervescente.

Imprensa – Que sugestão o senhor daria ao Governo Federal para incentivar a leitura?
Loyola Brandão – Eu acho que o Governo deveria encher esse País de bibliotecas. E encher as bibliotecas de livros. Eu mesmo fui formado lendo na biblioteca de Araraquara. Elas são um canal direto de acesso a literatura. E seria primordial patrocinar traduções dos autores brasileiros no exterior. Isso é fundamental. Todos os países fazem isso, menos o Brasil.

Imprensa – Para o público infanto-juvenil, é preciso ter um tipo de linguagem específica e segmentada?
Loyola Brandão – Acho essa história de literatura infanto-juvenil segmentada uma bobagem. Eu tinha 12 anos e já lia Jorge Amado. Eu escrevo com se estivesse escrevendo para qualquer um. Não se deve subestimar a inteligência de uma criança. Já escrevi cinco livros classificados como infanto-juvenis, mas que também podem ser lidos por adultos.

Imprensa – O senhor disse que tem uma relação de carinho com Itanhaém. Qual o motivo?
Loyola Brandão – Há 45 anos eu visitei Itanhaém com uma namorada, cuja relação eu guardo com carinho na minha memória. Então, a visão que tenho de Itanhaém é a de um amor. A Cidade para mim tem a cara do amor.


Fonte: Secretaria de Governo e Departamento de Comunicação Social











ENCONTRO - O evento reuniu cerca de 200 pessoas, entre crianças, jovens e adultos no espaço da Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim




Viagem Literária apresenta o escritor Ignácio de Loyola Brandão




Um dos maiores autores brasileiros reconhecido internacionalmente, o escritor e jornalista Ignácio de Loyola Brandão esteve em Itanhaém nesta segunda-feira (06), participando do projeto Viagem Literária 2011 – Módulo: Bate-papo com o escritor: Literatura para todos”. O evento aconteceu na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, e reuniu público de todas as idades.



Cerca de 200 pessoas se concentraram no espaço da biblioteca. Os primeiros a chegar iam se acomodando nas cadeiras estrategicamente colocadas de frente a Loyola. Em segundos, o ambiente lotou, e todos aguardaram ansiosamente a entrada do autor.
Bem humorado, o jornalista de prestígio internacional sentou sobre a mesa, e deu início ao bate-papo. Cheio de graça, contou que foi na escola, aos 9 anos, escrevendo uma redação sobre a ‘Branca de Neve’, que descobriu sua aptidão pela carreira de escritor.


Em meio um conto e outro, suas histórias foram criando formas capazes de transformar um silêncio observador dos espectadores, numa série de risadas. O escritor tem facilidade com as palavras, maior ainda, em arrancar do público das mais discretas até as incontroláveis risadas avivadas.


Loyola traz na bagagem um público fiel aos seus livros, como é a integrante da equipe de Educação da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes de Itanhaém Suely Piedade Santos, que acompanha a carreira do escritor desde os anos 80, quando ele publicava crônicas no Jornal Shopping News de São Paulo. “Foi gratificante poder ter dito isso a ele ontem, na biblioteca municipal e receber dele um carinho especial, dedicado por ele a todos os seus leitores. É claro que li seus principais livros como ‘Zero’ e ‘Não Verás País Nenhum’, além de vários contos”.


O evento contou com as presenças do prefeito João Carlos Forssell, do presidente da Câmara Marco Aurélio (PTB), do secretário de Governo Silvio Lousada, da diretora de Cultura Marcia Zanco, e os vereadores: Rogélio Salceda (PR) e Flavio Abassi (PSDB).


O jornalista tem o hábito de carregar por onde anda a caderneta azul. Nela, registra frases e pensamentos. Para Loyola, são observações que no futuro poderão ser transformadas em ideias para uma nova história. “Uma vez conversando com uma pessoa, ela disse que morreria, mas não sairia do carro. E isso me deu uma ideia de escrever um livro. E nele retratei a cena de milhares de carros congestionados em São Paulo, com pessoas mortas dentro dele”, comentou o escritor no bate-papo.


Em quase três horas de conversa, a atenção ainda era vidrada ao autor. O menino Gustavo Guimarães de 14 aos, da E.M Noemia Sales Padovan comenta como foi conhecer o escritor. “Gostei muito do encontro, e já conhecia o autor. Li crônicas e alguns dos livros dele, como ‘O Menino que Perguntava’ e ‘O Menino que Vendia Palavras’. Ele é muito é muito simpático. Já tenho até a intenção de ler outros livros dele”.


VIAGEM LITERÁRIA – Em sua quarta edição, o programa “Viagem Literária” consolidou-se como um dos mais amplos e diversificados projetos voltados ao livro e ao incentivo da leitura no Estado de São Paulo. Atualmente, 70 cidades fazem parte do projeto que leva autores consagrados a diversos municípios paulistas. De junho a novembro, as bibliotecas das cidades participantes recebem uma atração mensal voltada à literatura. O Programa Viagem Literária é realizado pela Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Secretaria de Educação,


Cultura e Esportes de Itanhaém.


SOBRE O AUTOR – Natural de Araraquara, Ignácio de Loyola Brandão, um dos mais destacados autores da geração dos anos 70, é também jornalista de longa e respeitada carreira, tendo trabalhado em importantes revistas e jornais, e respondendo hoje por uma coluna quinzenal de crônicas no jornal O Estado de S. Paulo.










CULTURA – O autor Ignácio de Loyola Brandão abre, em Itanhaém, o primeiro módulo do Viagem Literária 2011

Viagem Literária recebe o escritor Ignácio de Loyola Brandão no próximo dia 6

Itanhaém será a primeira cidade a receber o autor de renome internacional Ignácio de Loyola Brandão, dentro do projeto “Viagem Literária 2011 – Módulo: Bate-papo com o escritor: Literatura para todos”. Marcado para a próxima segunda-feira (6), às 15 horas, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, o evento convida jovens e adultos a conhecerem um pouco mais sobre a trajetória do autor araraquarense.

O programa “Viagem Literária” em sua 4ª edição consolidou-se como um dos mais amplos e diversificados projetos voltados ao livro e ao incentivo da leitura no Estado de São Paulo. Atualmente, 72 cidades fazem parte do projeto que leva autores consagrados a diversos municípios paulistas. De junho a novembro, as bibliotecas das cidades participantes recebem uma atração mensal voltada à literatura.

O evento é gratuito, e qualquer pessoa acima de 15 anos poderá participar do bate-papo. Para se inscrever, basta comparecer a Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, localizada na Rua Cunha Moreira, 71, no Centro. O Programa Viagem Literária é realizado pela Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Secretaria de Educação, Cultura e Esportes de Itanhaém.

“Loyola é conhecido como um escritor de hábitos matutinos e que confessadamente escreve para se libertar, projetando-se em seus personagens. É responsável por uma obra que engrandece a literatura brasileira, merecendo o prestígio dos leitores de nossa Cidade”, diz a bibliotecária Maraléia Menezes.

Destinado a repetir o sucesso de outros visitantes, o bate-papo com o autor abordará sobre sua obra com destaque para os títulos; ‘O Homem que Odiava a Segunda-Feira’ (1999); ‘Não Verás País Nenhum’ (1981) e ‘O Menino que Perguntava’ (2011), voltado para os mais jovens. Estes e outros títulos do escritor estão disponíveis para empréstimo na Biblioteca.

SOBRE O AUTOR – Natural de Araraquara, Ignácio de Loyola Brandão, um dos mais destacados autores da geração dos anos 70, é também jornalista de longa e respeitada carreira, tendo trabalhado em importantes revistas e jornais, e respondendo hoje por uma coluna quinzenal de crônicas no jornal O Estado de S. Paulo.

Ocupando a cadeira 37 da Academia Paulista de Letras desde 2007, escreveu mais de 35 livros, entre romances, contos, crônicas, viagens, biografias, infanto juvenis e dramaturgia. Tem várias obras traduzidas no exterior e conta com prêmios Jabuti, respectivamente na categoria Melhor Livro de Contos, com ‘O Homem que Odiava a Segunda-Feira (1999)’ e na categoria Melhor Livro de Ficção com ‘O Menino que Vendia Palavras’ (2007) este continuado em 2011 com ‘O Menino que Perguntava’.

Vale ressaltar que algumas de suas obras foram adaptadas para o cinema, a dança e o teatro. Dentre os principais títulos do autor estão os romances; ‘Zero’ (1975), ‘Não Verás País Nenhum’ (1981) e ‘A Altura e a Largura do Nada’ (2006). Seu mais recente lançamento foi a biografia Ruth Cardoso, ‘Fragmentos de uma Vida (2010)’. Em 2011 publica ‘A Morena da Estação’, espécie de livro de memórias com casos, mitos e lembranças sobre ferrovias.





Viagem Literária 2010 – Módulo Oficina de Criação Literária



A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim recebeu na noite da última quinta-feira (11), a visita do escritor João Carrascoza que ministrou a Oficina de Criação Literária sobre o tema ‘nas águas do conto’.



O quinto e último módulo do ano de 2010 reuniu estudantes, escritores e leitores interessados no aperfeiçoamento da escrita, em especial, o gênero “contos”.



Durante a Oficina, Carrascoza explicou o conceito e técnicas sobre o tema, "o contista deve transmitir para o leitor um sentimento de expansão, servir-se da escrita para levar ao seu público o que ele mesmo gostaria de falar”, comentou Carrascoza.



Para os participantes este foi um momento único, confira abaixo o depoimento da participante e escritora Elizabeth Cury Bechir Watanabe:






Finda Viagem Literária



Tivemos a visita de vários escritores durante a Viagem Literária neste ano de 2010, viajamos com cada um, num mundo de estórias e palavras que abrilhantaram cada vinda.



Picotando o meu bilhete dessa grande viagem que finda, o escritor João Carrascoza, deixa em mim, um gosto de saudades...



Parabéns a:



Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Itanhaém e a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, pelo grande evento cultural que foi o Viagem Literária em Itanhaém.






Lembramos aos nossos leitores que o Projeto Viagem Literária retorna a partir de Junho de 2011.



Confira as fotos do evento abaixo:

















VIAGEM LITERÁRIA COM MÁRCIA TIBURI ATRAI MAIS DE 150 CONVIDADOS
A escritora Márcia Tiburi esteve na Biblioteca Municipal de Itanhaém, no último sábado (16/10), para participar de um bate-papo, através do projeto “Viagem Literária”, da Secretaria de Estado da Cultura em parceria com a Secretaria de Educação Cultura e Esportes do Município.

O encontro reuniu cerca de 150 pessoas, lotando o espaço da Biblioteca e contou com a participação da Academia Itanhaense de Letras, alunos e professores da Faculdade Facsul, Etec de Itanhaém, Universidade Metodista, escritores e usuários da Biblioteca.

Márcia Tiburi iniciou o bate-papo falando de sua trajetória enquanto leitora e relatou seu primeiro contato com os livros lembrando ao público que “o que dá vida aos livros são os leitores”. A autora lembrou ainda de seu primeiro contato com uma biblioteca e de sua preferência por livros considerados difíceis.

Foram duas horas de um papo delicioso e estimulante, questões sobre educação, política, feminismo, literatura, filosofia, paixão, amor, etc., foram alguns dos temas abordados com simpatia pela autora.

Sobre a sua obra ‘Trilogia Íntima” a autora falou de seu processo de criação “O texto surgiu por uma necessidade que eu mesma acho meio estranha: queria me livrar dos meus pensamentos”, complementa que “escrever é uma boa maneira de ocupar o tempo”.




A participação do público foi notável, tanto que a autora postou em seu twitter o seguinte comentário:“FIM DESSA VIAGEM LITERÁRIA COM UM DEBATE DE ALTÍSSIMO NÍVEL COM OS LEITORES DE ITANHAÉM”.Parabéns aos Itanhaenses que contribuíram para o sucesso deste encontro.





















Confira as fotos do evento:













A Escritora Kátia Canton reúne cerca de 110 pessoas



na Biblioteca Municipal de Itanhaém









Na tarde desta segunda feira dia 13 de setembro a Biblioteca Municipal Poeta Bomfim foi palco de mais uma “Viagem Literária” com o tema Literatura Infantojuvenil, bate-papo com a escritora Kátia Canton.






A autora iniciou o bate-papo apresentando-se ao público e relatou seu primeiro contato com a literatura. “Eu era tímida; às vezes, preferia ficar sozinha criando histórias e ouvindo histórias da minha tia-avó Cecília, ela tinha um repertório enorme de histórias maravilhosas”.






<!--[if !vml]--><!--[endif]-->






Durante o encontro a autora de Noites de esperança, encantou o público, ao contar a história de um menino que entra pelo armário de seu quarto e penetra num mundo repleto de nuvens, tapetes de estrelas e de um simpático cavalinho branco.






<!--[if !vml]--><!--[endif]-->






Para Kátia Canton, a oportunidade de estar em contato com o público e saber o que as pessoas acham de seu trabalho é muito estimulante. “Estou sempre ligada em tudo e em todos, a observação do cotidiano serve de elementos para minhas criações”.






<!--[if !vml]--><!--[endif]-->






O público que prestigiou o encontro ficou encantado com a autora: “Kátia Canton encanta com sua narrativa”, disse a leitora Elizabeth. No encerramento, as crianças da EM Harry Forssell e Colégio Albert Einstein receberam um marcador de páginas autografado pela autora.






<!--[if !vml]--><!--[endif]-->












Katia Canton é PhD em Artes Interdisciplinares pela New York University e livre-docente em Teoria e Crítica de Arte pela ECA USP. É professora-associada e curadora do Programa Interunidades em Estética e História da Arte e do Museu de Arte Contemporânea, ambos na Universidade de S. Paulo. É também escritora, autora de 40 livros dedicados a adultos, crianças e jovens. Vencedora do prêmio Jabuti, 2007. Para saber mais, visite: http://www.katiacanton.com.br/












O Programa Viagem literária oferece um módulo diferente a cada mês, não percam os próximos:










Outubro - “Bate-papo com o escritor: Leituras Escolhidas”










Novembro - Oficina de Criação Literária






CONFIRA AS FOTOS DO EVENTO:







CULTURA – a ideia do programa é viabilizar a democratização quanto ao acesso à cultura, promovendo o contato entre escritores e população.







Viagem Literária recebe grupo ‘As Meninas do Conto’ no dia 16 de agosto







As atividades do programa Viagem Literária retornarão no dia 16 de agosto com a presença do grupo ‘As Meninas do Conto’, no módulo ‘Contação de Histórias’. Em sua 3ª edição, a programação será desenvolvida em dois períodos, às 10 e às 15 horas na Biblioteca Poeta Paulo Bomfim, localizada na rua Cunha Moreira, 71, Centro.



Nesta edição, ‘As Meninas do Conto’ realizarão vivências baseadas nas técnicas de contar histórias e seus desdobramentos, com o objetivo de resgatar a arte de contar histórias e formar novos multiplicadores desta linguagem.



Para uma das integrantes do grupo, ser contador é trabalhar a presença, olhar, credibilidade, voz e corpo para dar vida ao que se ouve. “Para a gente, o ponto principal da Viagem Literária é percorrer pequenos municípios que muitas vezes tem atividades culturais quase que escassas. Outra ação importante desse programa é proporcionar um evento para a família, com histórias saudáveis para todas as idades, utilizando o espaço da biblioteca”.



O Viagem Literária já acontece há mais de dois anos. Seu principal objetivo é viabilizar a democratização quanto ao acesso à cultura, promovendo o contato direto entre escritores e população. O programa contempla cidades de três mil a um milhão de habitantes, tudo para facilitar o encontro com a literatura.



Toda a programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades. O evento é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Prefeitura de Itanhaém. Para informações, entrar em contato por meio do telefone (13) 3426-1477.







AS MENINAS DO CONTO – Criado em 1995, pelas atrizes Kika Antunes e Simone Grande, o grupo pesquisa as narrativas que fazem parte do imaginário popular e traz um contato e aprendizado com o universo infantil. O elenco desenvolveu uma forma própria de criação teatral a partir de contos populares.



Em 2002, recebeu o Grande Prêmio da Crítica da APCA, na categoria Teatro Infantil, com os espetáculos ‘A princesa Jia e Porque o Mar Tanto Chora’. ‘Porque o Mar Tanto Chora’ recebeu o Prêmio Panamco 2002 nas categorias de melhor figurino, atriz e espetáculo. ‘As Velhas Fiandeiras’ recebeu o Prêmio APCA de melhor espetáculo infantil e Prêmio Coca-Cola Femsa de melhor espetáculo, texto e música em 2004. Já em 2005, o espetáculo ‘Papagaio Real’ recebeu indicações para o prêmio Coca-Cola Femsa, nas categorias de melhor espetáculo, música, atriz, texto e figurino.







Por Departamento de Comunicação Social








VIAGEM LITERÁRIA 2010



MODULO DE AGOSTO: CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

Confira abaixo a entrevista que o grupo gentilmente nos concedeu por e-mail no dia 17/07/2010:

1) Qual o papel da contação de histórias na formação do leitor?
Percebemos em nossa trajetória que ao contarmos histórias as pessoas querem um pouco mais, querem repetir aquela experiência, mas não podem levar o contador para casa, então o livro torna-se um elo entre a figura mágica do contador e o ouvinte...sempre dizemos no final de uma sessão que nós vamos embora mas as histórias ficam.
2) Eventos como esse podem aproximar o público da leitura?
Com certeza, ouvir histórias é bom e saudável para todas as idades. A nossa maior fonte de histórias são os livros, que carregam mais e mais histórias, e muitos deles encontramos nas bibliotecas, onde o evento é realizado. Dessa maneira aproximamos o leitor do livro de duas maneiras: através das histórias compartilhadas na sessão e dos livros que ali estão.
3) Qual a importância do Viagem Literária para os municípios?
Para nosso grupo o ponto principal da Viagem Literária é percorrer pequenos municípios que muitas vezes tem atividade cultural quase que escassa. Muitas dessas cidades existem contadores de histórias, artistas "escondidos" que através da experiência em receber um grupo de fora veem a possibilidade de realizar o seu próprio trabalho.
Outra ação importante desse programa é proporcionar um evento para família, ouvir histórias é bom e saudável para todas as idades... utilizando o espaço da biblioteca valorizamos e voltamos a ocupar um espaço público que nos seu ideal deveria ser de troca na sociedade mas que na atualidade anda muito abandonado.
4) O que vocês pretendem trazer para Itanhaém? Já conhece a Cidade?
Sempre temos uma prévia de idade e quantidade de público que teremos, separamos histórias para atender esse perfil, mas levamos um repertório diversificado com histórias de toda parte do mundo, porque só quando chegamos na cidade e conhecemos as pessoas batemos o martelo do que realmente vamos contar. Tudo influencia, o espaço, a temperatura... o público,por isso temos que ter um repertório grande para poder dialogar com os ouvintes presentes naquele momento.
Sim já estivemos em Itanhaém no ano de 2007 com o espetáculo: "Por que o mar tanto chora" pelo Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo - ProAC.
Fabiane Camargo
As Meninas do Conto























-->






VIAGEM LITERÁRIA 2010



A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim receberá no próximo dia 14 de Junho (Segunda-feira), às 15h, a visita da escritora Alice Ruiz. O bate papo que faz parte do programa Viagem Literária 2010, é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura com o apoio do Departamento de Cultura.



A autora irá conversar com o público em um bate-papo descontraído e surpreendente. Prosa, poesia (hai-kais), música, filosofia e muito mais! É uma oportunidade para o público ter contato com a escritora, trocar ideias, conhecer ou ampliar o seu conhecimento sobre literatura, ouvir histórias sobre o universo literário e se divertir.







Lançado em 2008, o Viagem Literária visa incentivar a leitura, promovendo também a integração dos leitores com os autores convidados.






Toda a programação é gratuita e qualquer pessoa, acima de 16 anos, pode participar do bate-papo, basta se inscrever de segunda a sexta das 8 às 17 horas, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, localizada na Rua Cunha Moreira, 71 - Centro.




Sobre a autora



Poeta e compositora, Alice Ruiz nasceu em Curitiba-PR, em 1946. Dentre os vários livros publicados em 30 anos de carreira, destacam-se navalhanaliga (Prêmio Secretaria Estudual de Cultura 1981), Desorientais (1996), Vice-Versos (1989) e Dois em um (coletânea, 2008), ambos vencedores do Prêmio Jabuti. Ministra oficinas de haikai, por todo Brasil, desde 1990. Dedica-se, também, à tradução de haikais de japoneses e à literatura infantojuvenil. Como compositora, tem parcerias com Arnaldo Antunes, Itamar Assumpção, Ná Ozzetti, Zeca Baleiro, entre outros, e gravações de Cássia Eller, Adriana Calcanhoto e Gal Costa, Ney Matogrosso, Zélia Duncan, entre outros. Em 2005 lançou com Alzira Espíndola o CD Paralelas, trabalho que reúne música e poesia.



LIVROS DA AUTORA DISPONÍVEIS NA BIBLIOTECA






  • Desorientais. São Paulo: Iluminuras, 2007






  • Dois em um. São Paulo: Iluminuras, 2008






  • Conversa de Passarinhos. São Paulo: Iluminuras, 2008











BATE-PAPO COM A ESCRITORA
ALICE RUIZ
"LITERATURA PARA TODOS"







FABRICIO CARPINEJAR - VIAGEM LITERÁRIA 2009












O GOVERNO MUNICIPAL, ATRAVÉS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, EM PARCERIA COM A SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DE SÃO PAULO, TEM O PRAZER DE CONVIDAR PARA O EVENTO “VIAGEM LITERÁRIA 2009 – MÓDULO DE NOVEMBRO: OFICINA DE CRIAÇÃO LITERÁRIA COM O ESCRITOR FABRÍCIO CARPINEJAR (VENCEDOR DO PRÊMIO JABUTI 2009).





DIA: 18 DE NOVEMBRO


HORÁRIO: 18h


LOCAL: BIBLIOTECA MUNICIPAL POETA PAULO BOMFIM


ENDEREÇO: RUA CUNHA MOREIRA, 71 – CENTRO


PÚBLICO ALVO: a partir de 15 anos


DURAÇÃO: 04 horas


INSCRIÇÃO: De segunda a sexta, das 8 às 17 horas, na Biblioteca Municipal "Poeta Paulo Bomfim", Fone 3426-1477.


SOBRE O AUTOR


Nascido em Caxias do Sul-RS em 1972, Fabrício Carpinejar é poeta, cronista, jornalista e professor. Mestre em Literatura pela UFRGS, atualmente é coordenador do curso de Formação de Escritores e Agentes Literários da Unisinos. Publicou, entre outros, Um Terno de Pássaros ao Sul (2000), Cinco Marias (2004), Como no céu/Livro de visitas (2005), Meu filho, minha filha (2007) e Canalha! (2008), que acaba de vencer o Prêmio Jabuti 2009. Recebeu diversos outros prêmios, entre eles o Maestrale/San Marco, o Prêmio Açorianos e o Prêmio Erico Veríssimo. Carpinejar foi traduzido para o alemão e em breve será publicado também na Itália e na França. Participou de antologias no México, na Colômbia, na Índia e na Espanha.


SOBRE A OFICINA


A oficina dirige-se àqueles que têm interesse em desenvolver e/ou aprimorar o que já escrevem, é para aqueles que tem ambições literárias, gosto pela escrita, desejo de aprender sobre a arte de escrever.
A oficina funciona como um curso de produção literária, e a SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DE SÃO PAULO emitirá um certificado para os participantes.


OBJETIVOS


Explorar a brincadeira da linguagem, conscientizar autores da importância da leitura da poesia, entender a construção do poema, utilizar o passado como ponto de partida da experiência estética, vencer o medo da crítica e a retração da voz.
SOBRE O PROJETO

Lançado em 2008, o Viagem Literária visa incentivar a leitura, promovendo também a integração dos leitores com os autores convidados.














LUIZ RUFFATO - VIAGEM LITERÁRIA 2009










A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim receberá no próximo dia 30 (sexta-feira), às 15h30, a visita do escritor Luiz Ruffato. O bate papo que faz parte do programa Viagem Literária, é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura com o apoio do Departamento de Cultura.

Lançado em 2008, o Viagem Literária visa incentivar a leitura, promovendo também a integração dos leitores com os autores convidados. Neste penúltimo módulo o tema é Literatura para todos.Biografia - Luiz Ruffato nasceu em Cataguases-MG, em 1961, e formou-se em comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Publicou, entre outros livros, a premiada série Inferno provisório, projetada para cinco volumes, dos quais já foram lançados Mamma, son tanto felice, O Mundo inimigo, Vista parcial da noite e O Livro das impossibilidades. Publicou também De mim já nem se lembra e o aclamado Eles eram muitos cavalos, que recebeu os prêmios APCA e Machado de Assis, e foi editado também na Itália, na França, em Portugal e em breve na Argentina. Baseado em sua experiência como ex-torneiro mecânico, Ruffato escreve – entre outros temas – sobre o cotidiano de operários, pessoas simples, mas com histórias.
O escritor acaba de lançar o romance Estive em Lisboa e lembrei de você, que traz a história de um imigrante ilegal brasileiro que vai trabalhar em Lisboa e lá convive com suas limitações e frustrações. Como o foco do livro é o desenraizamento, a idéia do amor se desdobra em várias perspectivas, solidariedade entre os imigrantes, evocação da terra natal, amizade, etc.
Toda a programação é gratuita e qualquer pessoa, acima de 16 anos, pode participar do bate-papo, basta se inscrever de segunda a sexta das 8 às 17 horas, na Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim, localizada na Rua Cunha Moreira, 71 - Centro.



LIVROS DO AUTOR DISPONÍVEIS NA BIBLIOTECA









  • De mim já nem se lembra. São Paulo: Moderna, 2007






  • Eles eram muitos cavalos. Rio de Janeiro: Record, 2007






  • Estive em Lisboa e lembrei de você. São Paulo: Cia das Letras, 2009






  • Mamma, son tanto felice. Rio de Janeiro: Record, 2005






  • O mundo inimigo. Rio de Janeiro: Record, 2005















FLÁVIA MUNIZ - VIAGEM LITERÁRIA 2009















Esta postagem é dedicada à autora Flávia Muniz, que nos presenteou com sua visita, como um tributo ao seu talento e dedicação aos leitores. Entendemos que a melhor crítica que um artista pode receber é a do seu público, principalmente quando ele expõe suas impressões ditadas pela emoção.



Portanto, todo registro sobre a Viagem Literária de setembro está abaixo, nas singelas palavras de Ágata Luz de Oliveira, representando os jovens leitores de Itanhaém.









Clique na imagem para visualizar.





-->










O GOVERNO MUNICIPAL, ATRAVÉS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, EM PARCERIA COM A SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DE SÃO PAULO, TEM O PRAZER DE CONVIDAR PARA O EVENTO “VIAGEM LITERÁRIA 2009 – BATE-PAPO COM A ESCRITORA FLÁVIA MUNIZ – LITERATURA INFANTO JUVENIL.










DIA: 28 DE SETEMBRO






HORÁRIO: 15H






LOCAL: BIBLIOTECA MUNICIPAL POETA PAULO BOMFIM






ENDEREÇO: RUA CUNHA MOREIRA, 71 – CENTRO










PÚBLICO ALVO: Preferencialmente de 10 – 14 anos (mas é evidentemente aberto a todas as idades)










INSCRIÇÃO: De segunda a sexta, das 8 às 17 horas, na Biblioteca Municipal "Poeta Paulo Bomfim", Fone 3426-1477.






Biografia da Autora:




Flávia Muniz nasceu em Franca, SP, e graduou-se em Pedagogia pela PUC de São Paulo. Escreve há mais de vinte anos para jovens leitores, com mais de 50 obras, ultrapassando a marca de 3 milhões de exemplares vendidos. É autora de Os Noturnos, Romance Vampiresco, quarta obra mais lida pelos jovens nas bibliotecas públicas municipais, segundo a revista Vejinha/SP. Algumas de suas obras receberam prêmios e indicações da crítica, como Viajantes do Infinito, Rita, não grita!, Brincadeira de saci, entre outras, traduzidas para o espanhol. Participa da antologia "O Livro Vermelho dos Vampiros", organizada por Luiz Roberto Guedes (DEVIR Editora). Atua no mercado editorial como autora e editora, e escreve para suplementos, sitese revistas. Vive em São Paulo, com a família.










"Prestem atenção nas palavras. Elas são mágicas."
(Flávia Muniz)










Livros da autora disponíveis na Biblioteca Municipal “Poeta Paulo Bomfim”



















  • Fantasma Só Faz Buuuu!






  • Beto Baguncinha






  • Uma Sombra em Ação






  • Viajantes do Infinito






  • Presente de Bruxa






  • Rita Não Grita






  • O Tubo de Cola






  • O Jogo do Pega Pega






  • O Jogo do Puxa Puxa






  • Vira e Mexe






  • Sallen 777






  • Os Noturnos






  • Viajantes do Infinito







CONTOS E CANTOS DO FOLCLORE BRASILEIRO



COM O ATOR JOÃO ACAIABE - O TIO BARNABÉ DO



SÍTIO DO PICAPAU AMARELO











HORÁRIO: 1ª sessão às 9 h – 2ª sessão às 11 h



LOCAL: Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim



ENDEREÇO: Rua Cunha Moreira, 71 – Centro



DURAÇÃO: 45 min



PÚBLICO ALVO: Preferencialmente de 6 – 11 anos (mas é, evidentemente, aberto a todas as idades)










A História agrada e entretém, mas a sua



função não é só de entreter e agradar,



é principalmente educar.



JOÃO ACAIABE







ASSIM ME CONTARAM



A proposta deste espetáculo é levar ao público um repertorio de contos, lendas, poemas e cantigas do repertório tradicional brasileiro, interpretados e conduzidos de uma forma poética, lúdica e bem humorada pelo notório ator e contador de histórias João Acaiabe.
A apresentação conta com música ao vivo e efeitos sonoros, onde a música não funciona apenas como fundo e sim como elemento narrativo, pontuando e acentuando momentos do espetáculo.
Além das narrativas, trava línguas, advinhas rimadas, poemas populares e cantos de diversos ritmos e linguagens como côco, lundu, jongo, maracatu e outros.
Um dos pontos altos do espetáculo é quando João Acaiabe representa o personagem “Tio Barnabé” (UM DOS SEUS TRABALHOS MARCANTES NA TV GLOBO), em um encontro fantasioso e único com o Saci Pererê.



A proposta é despertar a fantasia e a imaginação dos ouvintes, em um repertório que traz histórias como: O macaco e a velha, O Marido da Mãe D água, histórias do Saci, etc.



O espetáculo tem a duração de aproximadamente uma hora e é destinada à todas as faixas etárias.







A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS



Há muito é sabido do prazer que é sentar em roda e ouvir uma gostosa história. O gosto remonta a passados longínquos e, apesar das inovações tecnológicas, é sempre com renovado anseio e deleite que nos dispomos a ouvir uma gostosa história... Todos nós, adultos e crianças!



Pesquisada e analisada em seus aspectos lúdicos, a arte de contar história ganhou uma conotação maior, como valoroso instrumento no processo educativo. Contar história passou a ser compreendido como estratégia fundamental para se obter subsídios para redimensionar os trabalhos com as crianças, estabelecendo linhas muito mais positivas na ação educativa.



Além de traduzir-se em elementos facilitador de um processo inter relacional da sociabilização onde o senso de coletividade ao ouvir o outro, a falar, expressar-se, interessar-se por um livro... Um outro aspecto referente a contar história, embora de caráter subjetivo, tem sido relevante em estudos que se faz a respeito: é de buscar despertar a fantasia e a imaginação nos ouvintes, ao que encontramos reforços de inestimável valor quando analisamos serem a fantasia e a imaginação base para um pensamento criador.







BIOGRAFIA DO ATORJoão Acaiabe é um ator brasileiro, famoso por sua participação no Sítio do Picapau Amarelo como Tio Barnabé.



Nascido e crescido em Espírito Santo do Pinhal, no interior de São Paulo, iniciou sua carreira artística ainda na adolescência trabalhando como locutor de rádio. Já fez inúmeros trabalhos na TV, um dos mais marcantes foi no programa Bambalalão na TV Cultura durante os anos 80, onde contava histórias para o público infantil. Recentemente interpretou o Tio Barnabé na série Sítio do Picapau Amarelo na TV Globo. Ao longo de sua carreira realizou diversos trabalhos sócio-culturais, como, por exemplo, aulas de teatro para adolescentes em FEBEM e participação em movimentos de igualdade racial.



O ator João Acaiabe formou-se na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo, em 1970. Recebeu o prêmio “MAMBEMBE” e o prêmio “GOVERNADOR DO ESTADO” de melhor ator do espetáculo VAMOS JOGAR O JOGO DO TEATRO, pelo “KIKITO”, no festival de cinema de GRAMADO, como melhor ator, pelo filme O DIA EM QUE DORIVAL ENCAROU A GUARDA E A indicação ao prêmio “MOLIÉRE”, de melhor ator do espetáculo Laços de Sangue–teatro.









Carreira




Trabalhos na Tv







Trabalhos no Cinema







No teatro










  • Trabalhou com Plínio Marcos em várias peças, entre elas Barrela e Jesus homem — esta, uma obra polêmica por apresentar um Jesus Cristo negro, contestador e nada cordato, interpretado pelo próprio Acaiabe.




SOBRE O “VIAGEM LITERÁRIA 2009”



Lançado em 2008, o programa Viagem Literária consolidou-se, por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura e as Bibliotecas Municipais das cidades participantes, como um dos mais amplos e diversificados projetos voltados ao livro e à leitura no estado de São Paulo. Em sua primeira edição, levou autores e artistas consagrados a 40 municípios paulistas, atraindo milhares de pessoas às Bibliotecas. Em 2009, o programa cresceu: são 55 as cidades participantes. E a sua cidade está entre elas!




De Junho a Novembro, cada Biblioteca receberá uma atração mensal ligada à literatura. Serão 275 atividades que têm por objetivo estimular o hábito de ler, incentivando o público a se aproximar mais da Biblioteca de sua cidade. Bate-papo com autores, contação de estórias e oficinas de criação literária serão o passaporte para uma prazerosa viagem pelo mundo dos livros.
Toda a programação é gratuita e aberta ao público de todas as idades.
Conheça os diferentes módulos do Viagem Literária:1 - 16 de JUNHO - Bate-papo com o Escritor: leituras escolhidas - com a escritora Adélia



Prado.
2 – 11 de Agosto - Contação de histórias – com o ator João Acaiabe – O TIO BARNABÉ do Sítio do Picapau Amarelo



3 - SETEMBRO - Bate-papo com o Escritor: literatura infanto-juvenil - a definir.



4 - OUTUBRO - Bate-papo com o Escritor: literatura para todos - a definir.



5 - NOVEMBRO – Oficina de criação literária - a definir.







João Acaiabe (Tio Barnabé) - Viagem Literária 2009















Acredito que todos os adultos voltaram por uns instantes a lembrar de sua infância e brincadeiras da época, nesta manhã de 11 de Agosto, num encontro com o ator João Acaiabe, o famoso Tio Barnabé do Sitio do Picapau Amarelo.



Ouvi-lo contar estórias e ao mesmo tempo admirar o rostinho de cada criança, ali na Biblioteca “Poeta Paulo Bomfim”, sentadas à vontade, ávidas por ouvirem as estórias e o encantamento pelos sons imitando ruídos que Miranda companheiro de João neste projeto Contos e Cantos do Folclore Brasileiro fazia com seus instrumentos, fazendo-nos passageiros nesta emocionante Viagem Literária.



Mais uma vez parabéns a Biblioteca e aos organizadores!






Elizabeth Cury Bechir Watanabe







Adélia Prado - Viagem Literária 2009
























O Projeto "Viagem Literária", parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura e as Bibliotecas participantes, consolidou-se dia 16/06, a partir das 10:30 hs, em nossa cidade na Biblioteca Municipal “Poeta Paulo Bomfim”, com a presença da escritora Adélia Prado, considerada uma das grandes damas da literatura brasileira.



Foi uma parada em nossas vidas atribuladas, numa manhã fria de inverno.



Adélia recitando poesias próprias e de famosos como Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, alternando com um bate-papo com o público presente atento ao seu jeito simples, mas com um falar cheio de sentimento, proporcionando a todos uma manhã enriquecedora e encantadora, aquecendo-nos a alma. Parabéns a todos, por mais esse evento em nossa cidade.



por Elizabeth Cury Bechir Watanabe.







Abaixo, dois dos poemas apresentados:



Menino chorando na noite - Carlos Drummond de Andrade



Na noite lenta e morna, morta noite sem ruído, um
menino chora.
O chora atrás da parede, a luz atrás da vidraça
perdem-se na sombra dos passos abafados, das vozes extenuadas.
E no entanto se ouve até o rumor da gota de remédio caindo
na colher.
Um menino chora na noite, atrás da parede, atrás da rua,
longe um menino chora, em outra cidade talvez,
talvez em outro mundo.
E vejo a mão que levanta a colher, enquanto a outra sustenta a
cabeça
e vejo o fio oleoso que escorre pelo queixo do menino,
escorre pela rua, escorre pela cidade (um fio apenas).
E não há ninguém mais no mundo a não ser esse menino
chorando.



Casamento - Adélia Prado



Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como "este foi difícil"
"prateou no ar dando rabanadas"
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.





3 comentários:

  1. Este foi um momento marcante na vida cultural de Itanhaém. Espero que seja muitas vezes repetido.
    Parabéns aos organizadores.

    ResponderExcluir
  2. A cultura em Itanhaém desperta para a vanguarda.
    O projeto Viagem Literária é a confirmação de uma administração que trata sua Biblioteca Municipal 'Poeta Paulo Bomfim' com lustro que se deve dispensar a pérola dos itanhaenses.
    Estou ainda encantado com a estonteante apresentação de Adélia Prado. Espero sinceramente que apresentações como essa que tivemos possam se multiplicar em Itanhaém, bem como, em todo o país.

    ResponderExcluir
  3. Elizabeth Cury Bechir Watanabe3 de julho de 2009 08:44

    Pela primeira vez estive num bate-papo com uma escritora. Que manhã abençoada, numa simplicidade e humildade que só os grandes têm, lê para nós versos de Drummond e Clarice Lispector, fala de seus versos, que escreve com vivência no cotidiano.
    Horas que pareceram minutos que passei em estado de graça ouvindo Adélia Prado, poeta de Divinópolis - Minas Gerais.
    E mais uma vez a Biblioteca Municipal de Itanhaém esta de Parabéns!

    ResponderExcluir

Obrigado pela participação!

Seguidores do Blog